Ray Bradbury

"Se não tivermos bibliotecas, não temos nenhum passado e não teremos um futuro"

UERGS | 15 anos

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Festival de Dança de Londrina divulga programação de espetáculos



Abertura do evento será realizada no sábado (1°), no Teatro Mãe de Deus.
Ingressos para as apresentações custam R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada).

A organização do Festival de Dança de Londrina, no norte do Paraná, divulgou a programação de espetáculos nacionais e internacionais. O evento começa neste sábado (1°) e segue até 9 de outubro. Entre os dias 27 e 31 de outubro, haverá uma extensão da Mostra Oficial. Nesta 14ª edição, o festival chamará atenção para os impactos das ações humanas no meio ambiente e terá como tema “O Corpo em Gaia”.

Na grade artística haverá apresentações de vários estilos de dança, do Hip Hop ao clássico. Os ingressos para todos os espetáculos custam R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada).

As entradas podem ser adquiridas na Funcart, localizada na Rua Souza Naves, 2380; na loja Shop Ballet, na Rua Pio XII, 64; e na loja Kinise Dancewear, no Shopping Boulevard.

A abertura oficial do evento será comandada pelo grupo carioca Cia Urbana de Dança, apresentando as coreográficas “ID:Entidades” e “Na Pista”. O francês Christian Rizzo, estará pela primeira vez em Londrina e fecha a extensão da mostra oficial com “Sakinan Göze Çöp Batar”. O espetáculo é uma parceria do festival com o projeto francedanse, do Institut Français e a embaixada da França no Brasil.

Além da programação internacional, o festival terá apresentações do Ballet de Londrina, com a remontagem de “Decalque”, a Escola Municipal de Dança apresenta “2ºAto de Giselle” e artistas independentes participam da Mostra “Dança Londrina”.

Fonte: http://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2016/09/festival-de-danca-de-londrina-divulga-programacao-de-espetaculos.html

Conselho de Ministros aprovou hoje o novo modelo de gestão da STCP.

O Conselho de Ministros aprovou hoje o novo modelo de gestão da STCP, que passa a ser assegurada, por um período máximo de sete anos, pelas seis autarquias servidas pelos seus autocarros, mantendo-se a empresa na esfera do Estado.
No final do Conselho de Ministros, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, anunciou que foi aprovado o decreto-lei que cumpre o "compromisso do Governo de entregar às autarquias - que são quem gere a via pública - as empresas de transporte coletivo rodoviário".
Deste modo, fica definida a "delegação do exercício de competências da autoridade de transporte para a própria Área Metropolitana do Porto" que "passa a planear e que passa a definir as redes que são da STCP".
O ministro anunciou também que "durante um período máximo de sete anos", a gestão da STCP mantém-se enquanto empresa na esfera do Estado e "será assegurada pelas seis autarquias onde a STCP [Sociedade de Transportes Coletivos do Porto] presta serviço. Com a forte expectativa de, findo este período, a empresa poder ser entregue às autarquias".
Esta aprovação em Conselho de Ministros acontece depois de um memorando de entendimento assinado a 25 de junho, passando as autarquias "a pagar, progressivamente e ao longo deste tempo, todas as obrigações que são de serviço público".
"O Estado manterá a nomeação do administrador financeiro e continuará a participar nos investimentos que a empresa tem que fazer", explicou.
O ministro com a tutela dos transportes esclareceu que "a empresa não passa para as autarquias" porque "as ações são 100% detidas pelo Estado e continuarão a ser 100% detidas pelo Estado".
"Sobre a questão onde fica o passivo, este fica onde sempre esteve. O Estado nomeará um dos cinco administradores que tem como função ter que aprovar aquilo que são as decisões - certamente ponderadas e certamente aprová-las-á - de gestão que impliquem o aumento desse endividamento", acrescentou.
Na cerimónia de assinatura do memorando de entendimento entre o Estado, a STCP e as seis autarquias (Gaia, Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto e Valongo), a 25 de junho, Matos Fernandes tinha afirmado que "ao assumir o financiamento de uma obrigação de serviço público originada por serviços que serão sempre deficitários dão condições para que a empresa seja pela primeira vez sustentável".
"Não com EBITDA [resultados antes de impostos, juros, amortizações e depreciações] zero, mas com EBITDA positivo desde o primeiro momento. Isso significa que a empresa fica em condições de operar de forma equilibrada, mas também de começar a suportar o investimento na renovação dos seus ativos que é essencialmente a sua frota", afirmou então o governante.
O ministro realçou então que "se os municípios financiarem a rede que entendem adequada e possível para o serviço das suas populações, o Estado não abandonará nunca a sua política social e continuará a apoiar as pessoas com maior debilidade econômica por vista dos tarifários sociais".
 Fonte:http://www.jn.pt/local/noticias/porto/porto/interior/aprovado-novo-modelo-de-gestao-da-stcp-pelas-autarquias-5415600.html

CREA-RS realiza Blitz de Fiscalização em propriedades rurais de Caxias do Sul.

De 27 a 29 de setembro, o CREA-RS promove uma Blitz de Fiscalização na área de agronomia. A ação, com foco nas propriedades rurais, vai verificar a existência de um responsável técnico pela orientação e recomendação do uso de defensivos agrícolas.

 Rio Grande do Sul é o terceiro Estado que mais consome defensivos agrícolas no País, segundo dados do Fórum Gaúcho de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos, composto pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul e entidades do setor. Enquanto a média brasileira foi de 4,5 litros por habitante, o Estado consumiu 85 milhões de litros de defensivos durante a safra 2009/2010, o equivalente a 8,3 litros por habitante. 

Cerca de 90 empreendimentos no município de Caxias do Sul serão vistoriados durante os três dias de blitz. O CREA-RS visa garantir que apenas profissionais e empresas legalmente habilitados sejam responsáveis pelos serviços à população.

Fonte: http://www.crea-rs.org.br/site/index.php?p=ver-noticia&id=3480  

Programa de Fiscalização Intensiva em Santo Ângelo.

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Sul (CREA-RS) realiza o Programa de Fiscalização Intensiva na área da Agronomia. A ação - que iniciou na Inspetoria de Santo Ângelo, nesta segunda-feira - segue até a sexta-feira (30) e terá como alvo as propriedades rurais que possuem unidades armazenadoras de cereais no município de Santo Angelo.
Participaram da abertura do programa que ocorreu, nesta segunda-feira, o inspetor-chefe da Inspetoria de Santo Ângelo Eng. Mec. e Seg. Trab. Norberto Ilgner, o supervisor de fiscalização Luiz Claudemir de Araújo, e os agente fiscais, Everaldo Daronco, Amâncio Renato, Ademir Celso, Albino Herter e Miguel Ornellas.

Fonte: http://www.crea-rs.org.br/site/index.php?p=ver-noticia&id=3481

Executivo com perfil para gerenciar crise segue cobiçado no mercado.

Algumas posições, como de gerente de impostos e planejamento comercial estão entre as 11 mais cobiçadas pelas empresas. 
 
Pelo menos 11 gestores de gerenciamento de crise ainda seguem procurados para afastar a crise das empresas. É que aponta levantamento da Michael Page. De acordo com a pesquisa, houve aumento de 30% até agosto deste ano para profissionais especialistas em crise.

“Cada área dentro da companhia enfrenta a sua crise. Seja o financeiro para negociar e alongar o prazo das dívidas ou o RH na hora de demitir algum funcionário. Executivo com perfil para gerenciar esses momentos difíceis dentro de cada departamento são bem avaliados no mercado atualmente. Isso é um reflexo do atual cenário e que acaba influenciando diretamente as companhias”, avalia o diretor da Michael Page, Henrique Bessa.

Algumas posições, como de gerente de impostos indiretos, diretor de desenvolvimento de negócios e gerente de planejamento comercial estão entre as 11 mais cobiçadas pelas empresas.

Fonte: http://www.cfa.org.br/servicos/news/cfanews/executivo-com-perfil-para-gerenciar-crise-segue-cobicado-no-mercado

Inscrições de artigos para Congresso Mundial de Administração se encerram em 30 de setembro.

O evento acontecerá entre os dias 16 e 19 de novembro em Cartagena das Índias, na Colômbia.

 As inscrições para apresentação de trabalhos científicos no XII Congresso Mundial de Administração serão encerradas no dia 30 de setembro. Para cadastrar o material e efetuar a inscrição, é necessário acessar o site do Congresso e seguir os passos indicados. O evento acontecerá entre os dias 16 e 19 de novembro em Cartagena das Índias, na Colômbia.

Nesta edição, o tema central será “Práticas de Gestão para Empresas do Século XXI: A Organização do Futuro”, e fazem parte da programação diversas palestras e painéis divididos em blocos temáticos voltados aos segmentos Público, Privado e de Ensino. Os trabalhos encaminhados serão aceitos na modalidade de artigos e devem estar alinhados com o tema do Mundial e seus segmentos. Todos os alunos serão certificados e seus professores orientadores receberão “Certificado de Participação”. O regulamento completo pode ser conferido no site.

O evento é realizado por meio de uma parceira do Conselho Regional de Administração do Rio Grande do Sul (CRA-RS) em parceria com o Consejo Profesional de Administrácion de Empresas (CPAE), da Colômbia.

Fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/academico/inscricoes-de-artigos-para-congresso-mundial-de-administracao-se-encerram-em-30-de-setembro/11396

Para Cosems/RS novos cursos de medicina não bastam. Perfil do profissional formado precisa ser revisto.

COSEMS/RS destaca a importância dos novos cursos de medicina; contudo, perfil de formação deve ser modificado para atender à saúde pública e as necessidades da população.

O presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Sul (COSEMS/RS), Marcelo Bosio, considerou importante a publicação ontem (27) da portaria nº 545 do Ministério da Educação que habilitou quatro instituições no Estado para a instalação de novos cursos de medicina no Estado. Ele destacou que mais essa etapa, possibilitada pelo programa Mais Médicos, está de acordo com a demanda dos municípios brasileiros e é defendida pelo COSEMS/RS.

Contudo, para Bosio, além de possibilitar mais vagas para a formação de médicos, é fundamental que o modo de formação seja reavaliado e adequado ao perfil que a saúde pública exige. “Atualmente há uma desconexão entre a formação que o profissional recebe nas universidades – inclusive nas públicas – e as reais necessidades do sistema de Saúde”, disse. “É evidente a necessidade da formação de mais médicos. Porém, esse aumento de formação possibilitado pelo programa não pode ser exclusivamente voltado ao mercado, como sempre foi, mas, deve, essencialmente, atender as necessidades da população na Atenção Básica, nas periferias, nos municípios distantes dos grandes centros, nas comunidades rurais e onde o acesso é mais difícil.”

Para o presidente do COSEMS/RS, o objetivo da abertura de mais vagas para a formação de médicos pode não ser alcançado em sua plenitude, caso a questão curricular da formação não seja reavaliada. Ele defende a importância de os profissionais realizarem residência junto às comunidades, por meio da Atenção Básica, de modo que essa formação seja próxima e diretamente relacionada com a população. “O envolvimento do profissional com a comunidade é fundamental e é o elemento modificador de realidade”, disse. “Essa é a essência do Programa de Saúde da Família e esse elemento não pode estar desassociado da formação desses profissionais.”

No dia 20 de setembro, o Ministério da Saúde anunciou a renovação do acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) que garante por mais três anos a atuação de médicos cooperados no país, os médicos cubanos. A meta nesse período, segundo o Ministério, é ampliar a participação de brasileiros com a oferta de 4 mil vagas atualmente preenchidas pelo acordo internacional, fortalecendo a participação de médicos brasileiros no programa. A previsão é que, entre dezembro de 2016 e abril de 2017, cerca de 2 mil vagas de cooperados sejam oferecidas em editais.

Outro aspecto destacado por Bosio, além da dificuldade da adesão de médicos brasileiros ao programa, é a permanência desses profissionais, especialmente para atender nas regiões distantes dos grandes centros, em zonas rurais ou a grupos específicos como quilombolas, índios e assentados da reforma agrária. Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 25% dos médicos brasileiros desistem de atuar no programa. “A questão central não é a abertura de vagas para brasileiros, tendo em vista que isso sempre ocorreu e de maneira prioritária. O que precisamos é ter profissionais que se disponham a atender nesses locais, que entendam a lógica do Sistema Único de Saúde e estejam comprometidos com as comunidades”.

NOVOS CURSOS - Quatro universidades do Rio Grande do Sul, localizadas nos municípios de Ijuí, Erechim, Novo Hamburgo e São Leopoldo, estão habilitadas a abrirem cursos de medicina. A informação foi divulgada hoje (27) pelo Ministério da Educação (MEC), através da Portaria 545, publicada no D.O.U, que apresenta a relação das instituições de educação superior selecionadas e classificadas no âmbito da chamada pública do Edital nº 6/2014, de 23 de dezembro de 2014. Esse é um resultado do programa Mais Médicos no eixo de formação. Ao todo, devem ser abertas 230 novas vagas.

Fonte: http://conasems.org.br/rede-cosems/rs

Campanha de vacinação.